Um lugar para os que são, os que ainda não são e os que não vão chegar a ser, conversarem e trocarem experiências.

Thursday, July 05, 2007

Carta para além da cidade



"Há alguns dias, Deus – ou isso que chamamos assim,
tão descuidadamente, de Deus – enviou-me certo
presente ambíguo: uma possibilidade de amor.
Ou disso que chamamos, também com descuido e
alguma pressa, amor."
Caio Fernando Abreu


Sentado no teclado, cercado de prazos por todos os lados, ligações e recados em post-its. Foi quando eu pensei em você. Eram exatamente quatro e meia da tarde quando pensei em você. Sei disso porque vi a hora quando peguei o celular, em busca de mais uma daquelas mensagens suas tão nossas.

Seguindo a cartilha das relações de hoje, seguindo, a cartilha do bom senso, tento evitar palavras grandes, como "amor", "sempre", "futuro" e "dividir-apartamento-conta-no-banco-depois-de-adotar-criança-deficiente." E evito, engolido-as de volta com cerveja ou suco de laranja, quando insistem em escorregar pela minha boca, direto aos seus ouvidos.

Mas não consigo, simplesmente não consigo, abrir mão de outras, como saudade. E carinho. E respeito.

É por isso que hoje me equilibro em uma corda bamba, galeguinho, uma corda bamba firmemente estendida sobre aquele bom senso do qual eu falei no início dessa lesadinha carta. Uma corda bamba guiada por uma precisão de microscópio eletrônico, pois eu sei que entre ter você ao meu lado, como meu namorado, e lembrar de você daqui a alguns anos: um carinha meio complicado que eu conheci um dia, existem apenas alguns míseros nanons de distância.

De acordo com a cartilha das relações maduras/cínicas/modernas, tenho a mais plena consciência de que deveria respirar fundo, puxar o freio de mão, fazer um ar blasé e dizer que "tudo bem", seja o que Deus quiser, vamos deixar as coisas rolarem. E é o que eu digo. Mas, não, meu anjo, não é o que eu sinto. E esse sentimento, a cada dia mais, me preenche. Se isso é bom? Não sei, mas espero sinceramente que seja.

Termino por aqui, baby, ainda evitando palavras grandes, como amor e sempre. Mas balbuciando em seu ouvido algumas pequenas e fortes, como paixão e cuidado e carinho.

E saudade.

Que seja doce, meu querido.

10 Comments:

Blogger Jota said...

"Linda".

Foi a palavra maior que eu consegui encontrar pra descrever essa carta/declaração de amor, David.

9:03 AM

 
Blogger FOXX said...

uau
perfeito

7:15 PM

 
Blogger Bernado said...

Continuando o comentário do Foxx... uau, lindo mesmo! Parabéns, adorei! =)

8:12 PM

 
Anonymous Garçom said...

Evite também palavras curtas demais, como "medo" e "tchau".

1:49 PM

 
Blogger Dawson said...

Gente...

Que coisa mar linda!!!

"...ainda evitando palavras grandes, como AMOR e SEMPRE."

Que Galego sortudo duma porra!

hehehe

Mta sorte pra vcs David!!!

9:46 PM

 
Blogger PH said...

que fofo :) abração

9:11 AM

 
Blogger Lyginha said...

Adorei seu blog...

Achei no blog do renateenho...

amei todos os post..!!!!

5:38 AM

 
Blogger guika said...

mimimi

7:26 AM

 
Blogger Palomilla said...

Nossa, fiquei encantada com a tua sensibilidade.. Mesmo! =)

2:11 PM

 
Anonymous Anonymous said...

Adorei seus textos. Como v escreve bem. Como vc expressa sentimentos tão bem em palavras.

Sou fã dos inteligentes, dos sensíveis, dos que são suaves como senti em vc!

Um fã de BH!

2:21 PM

 

Post a Comment

<< Home