Um lugar para os que são, os que ainda não são e os que não vão chegar a ser, conversarem e trocarem experiências.

Thursday, October 27, 2005

Uma história de "as" e "os"


Neste mundo pretensamente heterossexual em que a gente vive, não é sempre que podemos conversar à vontade num bar lotado sobre “certos assuntos”. Então, muitas vezes temos que modificar os artigos, transformando os “os” em “as”, os “eles” em “elas”, e por aí vai. Mas o que parece ser perfeito muitas vezes causas sérios problemas de compreensão, principalmente quando a pessoa com a qual você conversa tem um QI de Carla Pérez.
Uma cidade pequena. Lanchonete da moda. Oito e meia da noite. No telão, rola um DVD da banda Calypso, ao vivo, ou seja, “o” inferno. Dou uma mordida no sanduíche e falo pra o meu amigo:
- Pois é. Tem o meu caso...
- Você está de caso?
- Não, menino! O lance da minha “namorada”... – olho pra ele com um olhar de Joey dos Friends.
- É o quê? Você está de namorada? Rapaz, isso não da certo não! Eu já te disse! Você está se enganando! Você não gosta de mulher!
A menina da mesa ao lado quase se engasga com o milkshake.
- Fale baixo, sem noção!
- E eu estou falando alto? – berra ele.
- Não! Mamãe lá em casa perguntou quem não gostava de mulher!
- Você quer o quê? Você já tem mais de um ano de namoro e agora vem me dizer que está de namorada...Namorada! Ah! Entendi!
- Graças a Deus!
A conversa rola a noite toda daquele jeito. Eu nos “as” e ele insistindo nos “os”:
- Mas pense num corpo! Cada bração! Forte!
- Cuidado...
- Eitah...eh..cada bração “dela”! “Ela” é linda, cara! Forte! “Altona”!
O problema é que nem sempre a adaptação funciona.
- Tem certeza que você não pegou um travesti? – eu tento disfarçar.
- Era não, viu? Mas porquê? Ah...eitah, foi mal. – se desculpa ele.
De repente, passa por nós “uma menina” muito “linda” e se senta na mesa ao lado.
- Disfarça.
- O que foi?
- Atrás de nós.
Ele se vira com a sutileza de um hipopótamo numa rua movimentada, ao meio-dia.
- O que foi?
- Atrás da gente, ô discrição!
- Vi não, o que era?
- “Uma menina”, “gata”.
- Votz. Vi não.
- Atrás da gente, de regata branca!
- Regata? Uma menina de regata? De noite? Aqui?
- Puta que pariu! Atrás de nós!
- Vi não!
- De cavanhaque!- agora quem berra sou eu. Todo a lanchonete pára.
- Uma menina de cavanhaque? Ah...entendi. Mas precisava gritar? Todo mundo ficou olhando pra gente...
Eu mereço. Alguém sabe quanto custa uma passagem pra Londres? Só de ida, por favor!

1 Comments:

Anonymous Carlos Fonseca said...

rapaz to no trabalho agora mais prometo a noite ler bem diretinho seu blog. Moro em natal tb, vamos trocar ideias...
Abraços
CArlos Fonseca
:O)

4:57 AM

 

Post a Comment

<< Home